Compartilhe essa notíciaShare on Facebook1Tweet about this on TwitterShare on Google+0Share on LinkedIn0Pin on Pinterest0Email this to someone

Engraçado esse título, mesmo sendo verdadeiro – ainda mais no Brasil.. Segundo estudo Global realizado pela Fleishman-Hillard International Communications e também pela Harris Interactive, os consumidores tendem a seguir ou curtir páginas de empresas varejistas não pela intenção de participação direta em promoções ou prêmios, mas sim no interesse que possuem em encontrar mais informações sobre os serviços e os produtos comercializados.

A pesquisa foi feita de forma Global, por isso estamos dando esse destaque para ela.

Dados mostram como consumidores se tornaram ativos

A pesquisa mostra que 79% dos entrevistados dizem que seguem empresas e seus perfis sociais para saber mais sobre a marca. Somente na terceira posição que aparece a intenção de receber descontos, com 76%. Isso que dizer que a mesma pessoa pode até ter intenção de participar de promoções, porém a cada 100 pessoas, 79 tem a intenção prioritária de obter informações. E só depois, é lógico que ninguém deixa uma boa promoção de lado.

Outros dados permitem perceber o quanto troca de informações é uma estratégia eficaz. 73% dos consumidores consideram receber informações exclusivas via Redes Sociais, 69% em dar Feedbacks (consumidor é ativo – não esqueça) e 67% com intenção de compartilhar conteúdo (novamente, consumidor ativo).

Essa pesquisa mostra o que por tantos anos, nós – profissionais de Marketing Digital, estamos afirmando para as empresas:

“Estudem seu público alvo e encontre formas de se comunicar com eficiência – a melhor delas é o conteúdo gratuito e instrutivo. Dê algo para seu cliente. Conteúdo continua sendo Rei.”

Outros dados interessantes:

Pessoas são influenciadas on-line, antes de sair as compras:

66% dos entrevistados só vão as compras se antes pesquisar na Web, na sequência temos 61% se dizem facilmente influenciados por amigos (Redes Sociais os conecta – é onde as empresas devem aproveitar o ”gancho”), 51% via e-mail (e-mail marketing ainda com muita força se bem trabalhado), 42% Televisão, 43% Jornais, 37% Mala-Direta, 28% Revistas e 28% Rádio… Veja que as mídias Off-line ainda possuem um certo apelo no processo de compra, porém estão enfraquecendo com o tempo – o que é bem comum mediante a interatividade do mundo on-line.

Resumindo:

A cada nova pesquisa apresentada, temos mais certeza que é um rumo sem volta. A interatividade causada pela Web traz os consumidores cada vez mais para frente do monitor, passando horas e mais horas com a possibilidade de ser atraído por um conteúdo de qualidade, e logo interagir com uma marca.

Um exemplo é o mercado imobiliário no Brasil. Hoje, construtoras (não falo só Tecnisa) estão lutando para se posicionar no mercado on-line, pois a reputação faz desse mercado específico algo de valor. Mais de 70% de seus clientes fazem pesquisas de locais e imóveis dentro de casa, e não mais pesquisando através de imobiliários. Nesse mercado, não é mais possível interagir e ganhar visibilidade somente com o off-line; é obrigação dessas empresas entrarem no on-line, ou tendem a perder muitas vendas.

Sucesso, um forte abraço.

Compartilhe essa notíciaShare on Facebook1Tweet about this on TwitterShare on Google+0Share on LinkedIn0Pin on Pinterest0Email this to someone

Sobre o autor

Pai, amigo, filho, cristão e geek... Luiz é consultor para projetos no ambiente on-line, gerente de projetos on-line e escritor/colunista. Apaixonado por leitura e novas tecnologias sempre está adiante do seu tempo e com os pés no chão para conseguir levar cada projeto ao próximo estágio. De perfil estratégico e organizado considera que o sucesso só vem depois da aplicação de muito esforço em função de um objetivo, concentrando-se em metas e alicerçando-se na capacidade de adaptação conforme a necessidade do mercado.

FacebookMore...